O presidente Djalma Falcão esteve reunido com a comissão de carnaval nesta terça-feira,  no barracão da escola, na Cidade do Samba, e aproveitou para fazer um pequeno balanço da  administração dessa diretoria nesses oito meses. Disse também que foram pagos apesar de toda crise e  adversidades que agridem nosso carnaval,  40% das dívidas do carnaval de 2018, dívidas essas, que se fizeram obrigatórias, devido aos cortes de verbas que vem aumentando a cada ano, chegando ao absurdo de praticamente inviabilizar o desfile de algumas escolas.
Foram cortadas despesas em torno de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais) com folha de pagamento, planos telefônicos, colocação de lâmpadas de led no barracão e na quadra, que proporciona uma redução significativa de gastos, a criação do almoxarifado no quarto andar para atender os ateliês (com maior controle de gastos e aproveitamento de material). Além da suspensão dos ensaios de sábados (atitude antes criticada e depois compartilhada praticamente por todas agremiações meses depois). Mas ao mesmo tempo, sem deixar de apoiar os antigos projetos como: a escolinha de ritmistas, passistas, velha guarda musical, a escola mirim Cavalinhos Marinhos da Ilha, entre outros.
Foi firmada uma parceria com o estado do Ceará, que nos proporcionou nosso primeiro réveillon fora do Estado do Rio de Janeiro (na praia de Iracema, em Fortaleza). Contando com a preciosa colaboração do nosso carnavalesco Severo Luzardo, que por várias vezes esteve no Ceará, obtivemos materiais diversos para nosso projeto. Vale ressaltar, que tais materiais, além de nos ajudar economicamente são de grande importância, pois trata-se de redes, rendas, palhas, artesanatos diversos, entre outros. Por serem originais dignificam nosso desfile, dando autenticidade a nosso trabalho. Em breve estaremos divulgando os nomes e as marcas de nossos parceiros.
Não poderia deixar de agradecer a todos chefes de barracão e seus funcionários, pois quem entende alguma coisa de carnaval, sabe que quando falta material por não ter a matéria prima ou por falta de dinheiro, o prejuízo se estende a esses profissionais. Diminuindo-se assim sua margem de lucro. Esse são os verdadeiros operários do samba!
Enfim, teremos dois meses até pisarmos a Sapucaí, de desafios incomensuráveis, já que não se administra uma empresa, tendo a estimativa de despesa e nenhuma garantia de receita. Essa declaração faz-se necessária, para que os fornecedores, associados e segmentos da escola tenham conhecimento de pelo menos um resumo dos fatos.
Quero deixar claro que não estou abrindo debate nas redes sociais, mas sim, dando uma satisfação à minha gente, ao povo do bem!”
VIXI MARIA, ROGAI POR NÓS! AMÉM